O Submundo do Modern - Paradox Combo
30/01/2018 15:00 / 5,652 visualizações / 5 comentários

 

Fala, galera! Já tem um bom tempo que eu não venho com nenhum combo aqui no formato... Se não me engano, o último foi um com Maravilha do Sistema Eteraulico, lá no meio de Novembro do ano passado, então quem curte esse tipo de estratégia deve estar com muita fome de patifaria, não é não?
 
A penca de artefatos que saiu no bloco de Kaladesh, como a própria Maravilha, entraram no Modern como uma luva e mais de um ano depois, ainda não acabei de cobrir tudo o que está presente no formato. Hoje, por exemplo, temos mais um deck que gira em torno de algo que saiu desse plano: Motor do Paradoxo. Apesar do deck ser meio antigo já, ele apareceu algumas vezes quando a coleção Aether Revolt foi lançada e deu uma boa sumida, porém, ainda é totalmente válido no formato e vale a pena o destaque aqui nessa coluna. Vejam a seguinte lista da época, pilotada por Morphiac numa liga no Magic Online:

 

Paradox Combo - Modern
2018-01-27

Jogador

Teddy_Bear_X

Visitas

5911

Código Fórum

[deck=791265]

 

De cara pode ser meio difícil entender como o deck ganha a partida, a não ser pelo Emrakul, o Fragmento dos Eons que temos ali, porém, há um longo caminho a ser percorrido até chegarmos nele e o segredo para esse caminho é uma alta geração de mana.
 
Como podem ver, temos vários artefatos que contribuem para esse propósito: Arquivo de Edro, Calice do Fluxo Perene, Cornucopia Astral, Mox de Opala e Pedra da Mente. Ainda assim, depender só deles para alcançar 15 manas, apesar de não ser difícil, pode ser um pouco demorado, então não seria eficaz o suficiente para ganharmos partidas nesse formato, que tende a ter tudo definido ou decidido geralmente até o 4º turno da partida, se prolongando algumas vezes um pouco mais.

 

 

Sendo assim, contamos então com a presença da nossa ilustre Motor do Paradoxo, permitindo que todos esses artefatos serão virados e desvirados várias vezes no turno, nos garantindo uma grande quantidade de mana, desde que as mágicas que nós conjuramos custem sempre menos que a quantidade de mana que conseguimos gerar com todos esses artefatos. Parece simples, certo? Concordo plenamente! O problema é que quando você pega para jogar, percebemos na hora que não é só juntar tudo isso aí no campo de batalha e esperar pelo melhor. Vamos lá!
 
Apesar de termos 5 tipos de artefatos diferentes para geração de mana, os que mais brilham mesmo são os que dependem de marcadores de carga para isso, ou seja, Calice do Fluxo Perene e Cornucopia Astral. Eles acabam sendo úteis em qualquer momento da partida, servindo de aceleração no começo do jogo e nos acompanhando na quantidade de mana que geramos, podendo entrar com cada vez mais marcadores para cada turno que podemos gerar mais mana.
 
Para auxiliar nesse propósito, temos cartas que também interagem com a geração desses marcadores, como Conversor do Nucleo, Estratagema de Tezzeret, Gancho de Contagio  e Nodo do Surto, cada um da sua maneira, mas também sendo úteis tanto no começo da partida, quanto num estado mais avançado do jogo.
 
Da pra pegar por exemplo um início de jogo comum de certa maneira, onde conjuramos um Nodo do Surto no primeiro turno, um Calice do Fluxo Perene no segundo turno com um marcador, já colocando um marcador extra sobre ele com a mana que ele mesmo consegue gerar e a ajuda do Nodo, o que nos garante cinco manas no 3º turno do jogo se baixarmos mais um terreno. Claro que isso não nos permite combar imediatamente, para a boa saúde do formato, porém, conseguimos conjurar mais uma quantidade de geradores de mana para que, assim que um Motor do Paradoxo entrar no campo de batalha, a partida já esteja bem encaminhada para a nossa vitória.
 
Então vamos gerando cada vez mais mana e chega a hora de conjurarmos nossa Motor do Paradoxo, mas além de todas essas manas, para que ela funcione como desejamos, precisamos arranjar uma maneira de conjurar várias mágicas, para conseguir sempre estar jogando uma grande quantidade de mana para a nossa reserva. Além disso, obviamente, precisamos de uma maneira eficiente de gastar toda essa mana. Uma dessas maneiras é nosso Emrakul, o Fragmento dos Eons, porém, é pouco provável que a única cópia que temos dele na lista esteja sempre em nossa mão.. E isso seria ruim de certa maneira.
 

 
Sendo assim, Feira dos Inventores, mais uma carta vinda do lindo bloco de Kaladesh, é um dos nossos mais preciosos terrenos, nos permitindo procurar por qualquer artefato em nosso grimório desde que já haja pelo menos três artefatos no nosso lado do campo de batalha, tarefa mais do que fácil para essa lista. Com ele podemos procurar pela nossa Motor do Paradoxo no final do turno de nosso oponente e nos preparar para combar no nosso turno ou, no caso de já possuirmos esse artefato, procuramos por algum que nos dará gás para encerrar a partida.
 
Uma de nossas opções aqui, dependendo da quantidade de mana que temos disponível, é Sino do Templo. Ele custa apenas 3 manas para ser conjurado e a sua habilidade de nos garantir um card não custa nada a não ser simplesmente virá-lo. Então a coisa funcionará da seguinte maneira: viramos todos os nossos geradores de mana para, obviamente, gerar o máximo de mana que podemos, compramos uma carta com nosso Sino, e conjuramos uma mágica para fazer tudo desvirar.
 
"Ah, mas e se eu comprar um terreno com o Sino do Templo?"

 

Bom, uma situação onde não ficamos com nenhuma carta na mão e dependemos totalmente de comprar uma mágica com esse artefato para continuar o processo é uma onde nossa posição no jogo já está crítica, então realmente dependemos da sorte, porém é muito mais comum termos pelo menos uma ou duas mágicas na mão para garantir que nossos artefatos sejam desvirados mais vezes e as ativações do sino só nos deixe em uma situação privilegiada e de sucesso. Podem ficar tranquilos quanto a isso. Além do mais, temos apenas 19 terrenos na lista e alguns já estarão no campo de batalha nesse ponto, logo, a probabilidade de comprarmos apenas um terreno atrás do outro e não conseguir continuar com nossa cadeia de mágicas é bem remota.
 
Então continuamos comprando e colocando marcadores nos nossos artefatos para que eles gerem cada vez mais mana, conjurando também mais artefatos que geram mana no caminho e aumentando a quantidade que mandamos para a reserva a cada mágica que conjuramos até achar uma de nossas condições de vitória ou um Portal Planar, que dá na mesma, com a quantidade de mana que temos.

 

 

Podemos inclusive procurar por um Portal Planar com nossa Feira dos Inventores, porém, como disse, é necessário ter uma quantidade de mana um pouco maior, já que ele custa o dobro de um Sino do Templo para ser conjurado e sua habilidade de procurar por alguma carta custa as mesmas 6 manas que ele. Ainda assim, não é um estado de jogo difícil de se obter com esse tanto de artefatos geradores de mana no deck. Lembre-se apenas de sempre seguir o caminho mais seguro, pois como não interagimos com o oponente em quase nada, às vezes passar o turno pra ele com todas essas ferramentas e sem poder fazer nada, pode significar uma derrota feia.
 
Estando cientes de que podemos usar uma de nossas condições de vitória para, de fato, obter a vitória, basta ir atrás dela então. Aqui temos o já citado Emrakul, o Fim Prometido, Balista Ambulante ou Reservatorio do Fluxo de Eter. Se o ataque de um deus Eldrazi não for o suficiente para ganharmos, então vamos para as outras duas opções.
 
Balista Ambulante e Reservatorio do Fluxo de Eter dependem, ambos, de uma geração muito mais alta de mana e pode ser que nossas mágicas não sejam o suficiente, ou simplesmente não compense ficar comprando cartas e mais cartas com nosso Sino do Templo, ou procurar algo diferente por turno para ficar fazendo contas e mais contas com um Portal Planar. Sendo assim, basta termos a certeza de que conseguimos gerar pelo menos 9 manas com nossos artefatos a cada mágica e então procuramos um Cranio-Marreta.

 

 

Ao conjurarmos esse equipamento nós teremos todos os nossos artefatos desvirados, algo padrão do deck, mas aí ao pagarmos 3 manas, devolvemos o Cranio-Marreta para nossa mão, viramos todos os artefatos que temos para gerar o máximo de mana que conseguirmos e conjuramos o Cranio-Marretanovamente. Podemos repetir o processo quantas vezes quisermos e assim teremos a quantidade de mana que quisermos para fazer uma Balista Ambulante que mate as criaturas/jogadores dos nossos próximos 50 jogos ou pontos de vida o suficiente para derrotar todos os jogadores do recinto com nosso Reservatorio do Fluxo de Eter.
 
Combar com o deck é muito divertido, mas o problema está realmente na falta de interação com o oponente. Claro que a maioria dos combos sofrem disso, porém, o problema aqui é que o nosso é totalmente dependente de permanentes, o que pode complicar ainda mais dependendo do deck que enfrentamos. Contra decks agressivos o fato de termos Feira dos Inventores ajuda um pouquinho com os pontos de vida que nos garante, no entanto, dependendo das situações, temos de gastar uma Balista Ambulante mais cedo ou então confiar que uma cópia de Batterskull nos ganhe um bom tempo para organizar nosso campo de batalha. Felizmente, o exemplo que dei no começo do texto de como ser possível e simples conseguir 5 manas já no terceiro turno nos ajuda bastante, pois isso significa que uma mão certa pode garantir um Cranio-Marreta em campo no terceiro turno ou ao menos uma Ballista com 2 marcadores.
 
Ao jogar com o deck, nossa linha de jogo prioritária é sempre descobrir como podemos ter mais mana o mais rápido possível, mas otimizar isso de uma maneira para que, futuramente, possamos aumentar mais ou menos da mesma maneira essa quantidade de mana. Um exemplo bom é a possibilidade de termos uma Cornucopia Astral ou um Calice do Fluxo Perene com muitos marcadores ou vários desses artefatos com pelo menos um marcador. Nessa última situação, um proliferar de um Estratagema de Tezzeret ou Gancho de Contagio nos beneficiará muito mais, gerando mais marcadores.
 
Vale lembrar que podemos conjurar Cornucopia e Clice por 0 manas, o que pode ser interessante em algumas situações. Uma delas é a possibilidade de desvirar todos os nossos outros artefatos "de graça" se tivermos um Motor do Paradoxo no campo, outra é a possibilidade de colocar marcadores neles com a ajuda de um Nodo do Surto ou Conversor do Nucleo, então se precisarmos de mais artefatos o quanto antes por algum motivo, essa é uma estratégia que podemos adotar. Caso seja necessário, por exemplo, uma mana de determinada cor para alguma mágica de nosso deck e não contamos com ela no momento, uma Cornucopia Astral pode ser conjurada por 0 manas e assim que entrar no campo de batalha pode ganhar um marcador, garantindo essa mana colorida por apenas uma mana (ou uma simples ativação de um Conversor do Nucleo), ao invés de gastarmos ou até mesmo esperarmos para ter 3 manas para isso.
 
A parte mais importante de nosso sideboard aqui é com certeza são as cartas Selo do Primordio e Estado Natural, pois um simples Silencio Petreo vai acabar totalmente com qualquer chance de vitória enquanto permanecer no campo de batalha. Uma Linha de Forca da Santidade possui efeito semelhante, impedindo a vitória através de uma Balista Ambulante ou Reservatorio do Fluxo de Eter, porém, não nos impede de evoluir nosso campo de batalha como um Silencio Petreo faz. Sempre se prepare para esse encantamento.
 
Dominar esse deck, como acontece com qualquer combo, depende de muito treinamento até sabermos otimizar nossas jogadas e escolher cada uma delas diante de cada situação diferente. Não adianta muito montar ele todo e ir para um torneio antes mesmo de pelo menos você ter jogado contra uma parede. Não vai funcionar muito bem a não ser que você já tenha vasta experiência com esse tipo de estratégia ou com as cartas em si de alguma maneira, então prepare-se bem.
 
Espero que vocês tenham gostado desse combo e fiquem ligados para mais decks saindo do Submundo do Modern! Grande abraço para todos e até a próxima!

 

 


LigaMagic App

ARTIGOS RELACIONADOS

Dominária no Modern

O impacto da nova edição no formato.


Na Grande Final do CLM11: Counter Company

Modern: Counter Company, de Bruno Rodrigues.


BBE Shift no Modern

Report Open do CLM.


Na Grande Final do CLM11: RG Ponza

Modern: RG Ponza, de Francisco Camargo.


Na Grande Final do CLM11: RG Valakut

Modern: RG Valakut, de Lauro Hanna.





Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.

griffin (31/01/2018 22:08:55)

deck pra lá de maluco mas bem poderosa, eu uso so uma cornucopia e a nodo do surto e ja consigo baixar curvas 8 no 4 pra 5 turno imagina com 4

Varric (30/01/2018 22:42:38)

essa lista parece legal , mas sera que nao ficaria mais bacana colocar maquina de contagio e alguns planes, pode ser uma forma bem legal de adiquir outra linha de jogo

Rolnado (30/01/2018 19:30:36)

Não sei se é a mesma lista, mas no CFB tem uma gameplay de um deck bem parecido com esse.

Ricardo_R_JR (30/01/2018 15:44:15)

Já vi que vou tentar montar algo parecido com isso.

ViniciusGoiaba (30/01/2018 15:09:10)

Quando vi no goldfish quase montei essa lista por ser extremamente divertida